Voltar para o topo

Notícias

25/03/22 15:20

Medalhistas olímpicas do judô dão aula para crianças atendidas por projeto do Instituto Moinhos Social 

Turma com crianças atendidas no Centro Social Marista Irmão Bortolini conheceu as judocas Mayra Aguiar, Ketleyn Quadros e Cristina Mazuhy Xerxenesky

Atletas com crianças do projeto social. Foto: Leonardo Lenskij Atletas com crianças do projeto social. Foto: Leonardo Lenskij

Para um grupo de crianças do Loteamento Santa Terezinha, de Porto Alegre, o incentivo para se dedicar ao judô não poderia ser maior. Elas tiveram a primeira aula com três estrelas do esporte no Brasil e no mundo. Ketleyn Quadros, primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha olímpica em esportes individuais; Mayra Aguiar,  judoca com o maior número de medalhas olímpicas da história do Brasil; e a atleta paralímpica Cristina Mazuhy Xerxenesky foram para o tatame com a turma do projeto Mover, do Instituto Moinhos Social.

A aula inaugural, realizada na última terça-feira (22), no Centro Social Marista Irmão Antônio Bortolini, teve tietagem, frio na barriga, mas também muitas lições aprendidas. “Eu fico muito feliz de fazer parte desse momento que pode fazer a diferença na vida dessas crianças. O judô deixa o corpo forte e é bom para a cabeça também. Deixa mais ágil, faz pensar melhor, traz amizades para o resto da vida. E quem sabe sai daqui uma medalha olímpica?”, desafiou Mayra.

Pois este é o sonho de Manuela Inácio. Emocionada, ela experimentou as medalhas levadas pelas judocas e fez questão de aprender os movimentos com cada uma das suas três ídolas. “Eu via na TV e nunca imaginei que elas estariam aqui. Acho que é um sonho. Quero ter uma medalha das Olimpíadas um dia. Mas para ser como elas, não tem como não se dedicar. Então, eu vou me esforçar”, prometeu a menina de 9 anos.

Do projeto social para o pódio

Foi nas aulas de judô de um projeto social em Ceilândia, no Distrito Federal, que Ketleyn Quadros iniciou a sua trajetória. Ela enfrentou dificuldades semelhantes como a de qualquer família que vive em situação de vulnerabilidade. A história da atleta, que também foi a porta-bandeira do Brasil na abertura das Olimpíadas de Tóquio, começou de uma forma muito parecida com a das crianças do Loteamento Santa Terezinha.

“Eu acredito muito no poder da inclusão do esporte. Pode ser a chance de mudar a história dessa geração, e de todas essas famílias. O judô me deu oportunidades de bolsas de estudos, de conhecer o mundo inteiro, conhecer culturas diferentes. Em muitos casos, é dar oportunidade para quem até agora não tinha nenhuma”, afirmou Ketleyn.

A judoca ficou impressionada com a proporção de meninas na turma. Elas representam 70% das crianças inscritas. “A equipe feminina de judô do Brasil é uma potência, está entre as 5 melhores do mundo. Ver a quantidade de meninas me deixa muito feliz. É um legado”, concluiu.

A atleta paralímpica Cristina reforçou o poder de inclusão do judô. “Eu sou um exemplo disso. Tenho cegueira no olho esquerdo e baixa visão no olho direito. Iniciei tarde porque as pessoas diziam que eu não podia ser atleta. Mas descobri que não existe impedimento para quem quer ser judoca. Basta dar uma oportunidade para essas crianças, para as meninas, para deficientes”, salientou.

Para Camilly Athaide, de 10 anos, o exemplo de Mayra, Ketleyn e Cristina é para a vida, com ou sem medalha. “Não importa se eu vou ganhar ou perder numa competição. O judô é uma nova oportunidade pra mim, é a coisa mais importante estar aqui”, disse a menina.


Transformar vidas

A iniciativa do Hospital Moinhos de Vento em cooperação com o Centro Social Marista Irmão Bortolini conta com a parceria da Sogipa e apoio do Grêmio Náutico União. O projeto tem uma meta ousada: desenvolver atletas olímpicos em médio e longo prazos. A mentoria será do treinador da seleção brasileira adulta de judô, Antônio Carlos Pereira, o Kiko.

Segundo o superintendente de Responsabilidade Social do Hospital Moinhos de Vento, Luís Eduardo Ramos Mariath, o Instituto Moinhos Social escolheu o judô pela transformação que este esporte promove na vida de crianças e jovens, especialmente pelo estímulo à disciplina e ao foco, além das oportunidades que oferece. “Temos tantos talentos que saíram daqui das nossas equipes, tantas referências, que por si só já são um incentivo. Além disso, ajuda na socialização e em lições que servirão para essas crianças em tantos aspectos e para o restante de suas vidas. Ou seja, se a missão do Hospital Moinhos de Vento é cuidar de vidas, é exatamente isso que estamos fazendo aqui, no curto, médio e longo prazos”, afirmou.

O coordenador do Centro Social Marista, Irmão Miguel Orlandi, reforçou o ensinamento de Champagnat, que considerava o propósito do esporte fortalecer o corpo e purificar a alma. “Com certeza o judô vai abrir muitas portas e melhorar a vida de muitas dessas crianças”, projetou.

Os treinos acontecem nas segundas e quintas-feiras. São duas turmas com 15 vagas. Todos os materiais, como kimonos, tatamis, entre outros, serão oferecidos pelo Instituto com o apoio de doadores e de empresas parceiras.

 

Sobre o Instituto Moinhos

O Instituto Moinhos Social (IMS) concentra as ações do Hospital Moinhos de Vento voltadas ao desenvolvimento social e econômico de comunidades em situação de vulnerabilidade social. O objetivo é gerar um ciclo completo de desenvolvimento, contribuindo para que os moradores se tornem protagonistas de suas próprias histórias. O projeto atuará em cinco eixos — assistência, cultura e esporte, educação, meio ambiente e saúde —, com projetos para melhoria da qualidade de vida, formação e atendimento da população, das crianças aos idosos, impactando positivamente em toda a sociedade.





Veja Também
28/06/22 16:15 COB cria Modelo de Desenvolvimento Esportivo que detalha caminho do atleta desde a formação até o pós-carreira 27/06/22 19:36 Brasileiro Sub-18 aumenta competitividade interna e esquenta briga por vaga no Mundial da Bósnia 24/06/22 18:28 Campeonato Brasileiro Sub-18 de Judô começa neste sábado, em Vitória (ES) 17/06/22 14:06 CBJ presta solidariedade à família Queiroz pela perda da senhora Girlene Maia Queiroz 12/06/22 20:06 Brasileiro Sênior - São Paulo e Minas Gerais lideram quadros de medalhas 12/06/22 08:52 ASSISTA AO VIVO - 2º DIA DO CAMPEONATO BRASILEIRO SÊNIOR DE JUDÔ 11/06/22 01:45 ASSISTA AO VIVO - 1º DIA DO CAMPEONATO BRASILEIRO SÊNIOR DE JUDÔ 11/06/22 01:42 Brasileiro Sênior reúne elite do judô nacional em Porto Velho, Rondônia, neste final de semana 10/06/22 11:03 Em Brasília, presidente da CBJ apresenta cenário do judô para Paris 2024 em audiência na Comissão do Esporte 06/06/22 17:20 Educação CBJ qualifica mais de 500 profissionais de judô no primeiro módulo do Programa de Formação Continuada de Treinadores
PATROCINADOR OFICIAL
 
Apoio
Travel Ace Assistance CBC
Siga-nos nas redes sociais
Confederação Brasileira de Judô
Horário de funcionamento: Segunda à Sexta das 9h às 18h
Rua Capitão Salomão, 40 - Humaitá - Rio de Janeiro - RJ / Brasil / CEP: 22271-040
Tel: 55 21 2463-2692 / Fax: 55 21 2462-3274
Website por RDWEB