Voltar para o topo

Blogs

15/02/13 20:16

O Judo de Jigoro Kano

\"O homem é um animal crédulo e precisa acreditar em algo; na ausência de bons fundamentos para sua crença ele se satisfará com os maus\". - Bertrand Russel

A mudança nas regras de competição de Judo não quer dizer que o Judo é um “novo esporte” ou um “novo Judo” conforme há pouco foi divulgado em conceituado jornal de São Paulo.

 Prof. Jigoro Kano idealizou o Judo como sendo manifestação de racionalidade e não como um mero feito de força física. Seu método sempre procurou explorar a riqueza real do combate corpo a corpo, fundamentado em uma educação harmoniosa unindo as culturas; intelectual, moral e física. O Projeto Renascença do Judo do Instituto Kodokan e da Federação Japonesa de Judo, deixa bem claro ”Não se pode reduzir o sucesso alcançado pelo Judo ao fascínio que ele causa, devemos sim, voltar aos ensinamentos contidos nas lições do mestre Jigoro Kano, objetivamente a educação humana, ou seja, o aperfeiçoamento humano em beneficio da sociedade”.

Atualmente dirigentes e professores da Federação Internacional de Judo, pelo fato de terem sido praticantes e competidores na década de 70, estão empenhados nesse incessante trabalho de promover as necessárias adaptações nas regras, procurando reafirmar  o alto valor técnico e racional na pratica e nas competições de Judo.

Apesar de mudanças já terem sido feitas no ultimo ciclo Olímpico, ainda não se chegou às aspirações da FIJ, isto é, resgatar o verdadeiro e tradicional Judo.

Logo após a estréia oficial do Judo nos Jogos Olímpicos em 1972, lutadores europeus, principalmente do leste europeu, influenciados por outras lutas, e por receio de serem dominados pela pegada, adquiriram o habito de evitar o contato direto com o adversário, principalmente contra japoneses que até então eram quase invencíveis, pelo menos até 1976, nos Jogos Olímpicos de Montreal, quando pela ultima vez venceram em todas as categorias.

Jigoro Kano quando da idealização do Judo, procurou na ação de agarrar ou segurar o companheiro de prática ou o adversário, reduzir o espaço entre os praticantes, pois assim, teriam condições de; dominar o oponente, movimentar para romper o centro de gravidade, induzir o adversário para uma posição favorável para o ataque, controle da técnica aplicada, defender-se de um ataque, e controle para a segurança do adversário na queda.

Uma eficiente pegada sempre foi primordial para a execução de uma técnica perfeita no Judô. Esse contato com o oponente, além de permitir-nos perceber o momento propício para um ataque, revela-nos as intenções e direções de um ataque iminente por parte do adversário. Portanto, dentro dessas características, o “Kumikata” pode proporcionar informações proprioceptivas obtidas por meio da preensão manual e podem determinar os movimentos e táticas a serem adotadas. Borges (1989).

Desse modo após o hajime, segundo Coche & Renaut (1975), uma eficiente pegada, nos dará 70% de chance de vitória, pois com esse domínio e uma elegante postura vertical, nos proporcionará uma execução técnica perfeita no arremesso do adversário por meio das inúmeras e eficientes técnicas do Judo.

Mas infelizmente tudo isso esta sendo esquecido ou perdido pelo caminho, em completo desprezo pela técnica racional, sem compromisso algum com o principio do “Benefício Mutuo” de Kano, quando diz que; o Judo deve fazer bem para você, para seu companheiro de prática, para seu adversário e para quem está vendo.

Os competidores orientados por técnicos “moderninhos” alem de evitarem o contato, inclusive durante o “Randori”, procuravam agarrar as pernas dos adversários simplesmente para arremessá-los de qualquer maneira em busca de uma pontuação por meio de técnicas travestidas de “avançadas”. A busca frenética por medalhas está descaracterizando o Judo e com isso professores estão ensinando as crianças a lutar e não o Judô, como preconizado por Kano. Fundamentos técnicos como; equilíbrio, defesas em postura normal ou frente a frente, técnicas de desvio, bloqueios e contra golpes, deixaram de ser ensinados, ou por falta de conhecimento ou porque se decidiu que o importante seria somente derrubar.

Principios filosóficos, rituais, formalismos e fundamentos técnicos como o Sen no Sen e Go no Sem, são valores tradicionais que precisamos, necessitamos e temos obrigação de preservar.

Os anos se escorrem, os mais idosos chegam ao termo da vida e se despedem para a eternidade. Não podemos deixar que nossos netos vivam sem conhecer o verdadeiro Judo e seus princípios filosóficos.

Nós, professores, praticantes e atletas brasileiros não podemos nos deixar influenciar por este anti Judo.  Nossos resultados atuais se devem ao tradicional Judo que aprendemos com professores japoneses que em São Paulo chegaram e com os quais tive o privilegio e o prazer da convivência e aprendizado. Menciono por mera e aleatória amostragem; S.Fukaya, A.Martins, M.Kihara, S.Tani, S.Yoshima, F.Oide, H.Kurati, M. Shinohara, Y.Ono, S.Yamazaki, I.Onodera, S.Okano, e tantos outros que se espalharam pelo Brasil principalmente em Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Brasilia. Como atletas e que se tornaram grandes professores, rememoro saudoso, pois já os tive como adversários, a técnica elegante e inteligente de M. Kawakami (primeiro citado internacionalmente) e L. Shiozawa; a preocupação técnica de M. Suganuma, e, C. Ishii com seu vasto conhecimento, seu grande poder como lutador e a sua grande influência em nosso Judô competitivo. Foram estes que geraram os frutos colhidos como; Mateus Suguizaki, Aurélio Miguel, Rogério Sampaio e tantos outros que transbordaram os limites do Brasil, assim como, os grandes árbitros internacionais; Shigueto Yamazaki, Carlos Catalano e o nosso mais recente, Edison Minakawa.

Herdeiros dessa tradição e de toda essa experiência amealhada, não podemos esquecer de ressaltar o apoio administrativo, técnico e eficiente, da portentosa organização da atual direção da CBJ. Seu poder de gestão nos colocou como referencia no Judo Mundial num processo de aprimoramento que acredito ser compromisso perene e definitivo, o que vem a ser uma grande responsabilidade para todos nós, que de uma maneira ou outra estamos atuando em prol do tradicional Judo Brasileiro, ou seja, o Judo de Jigoro Kano.        

 

Autor: Prof. Ms. Odair Borges – 7º dan

 

*Mestre em Educação Física pela Universidade de São Paulo.

*Membro do Conselho Nacional de Graduação da Confederação Brasileira de Judô







Veja Também
12/07/16 14:00 A Expectativa na Olimpíada 07/01/16 14:21 A excelência de uma equipe 07/10/15 14:39 Usar a regra a seu favor 17/08/15 14:46 Modernização 14/04/15 18:16 Recomendações do Seminário Nacional 27/02/15 12:22 Volta de Málaga e Seminário Nacional de Arbitragem 2015 16/01/15 17:01 Seminário de Arbitragem em Málaga (ESP) 26/11/14 16:32 Método de avaliação 02/10/14 14:30 Inovações e aprendizado 12/08/14 14:25 Tecnologia a favor do resultado justo
PATROCINADORES
PATROCINADOR OFICIAL
FORNECEDOR OFICIAL
Apoio
PARCEIROS DE MÍDIA
Apoio
Travel Ace Assistance
Siga-nos nas redes sociais
Confederação Brasileira de Judô
Horário de funcionamento: Segunda à Sexta das 9h às 18h
Rua Capitão Salomão, 40 - Humaitá - Rio de Janeiro - RJ / Brasil / CEP: 22271-040
Tel: 55 21 2463-2692 / Fax: 55 21 2462-3274
Website por RDWEB